Prémio a Mamadou Ba: “O anti-racismo é um acto de amor à humanidade”

O activista Mamadou Ba recebe hoje, em Lisboa, o “Prémio Anual de Defesa dos Direitos Humanos em Risco” da organização internacional Front Line Defenders. Vencedor da região europeia, o dirigente do SOS Racismo lembra-nos que “o anti-racismo é um acto de amor à humanidade”, e considera que esta distinção “é para todas as pessoas e todos os colectivos que se têm dedicado a combater o racismo na sociedade portuguesa”. O Afrolink congratula Mamadou Ba pelo prémio, e junta-se aos que celebram o seu trabalho.

por Afrolink

“A coragem e a resiliência dos activistas são inspiradoras, e demonstram a todos que um outro mundo é possível”. As palavras pertencem a Andrew Anderson, director-executivo da Front Line Defenders, organização internacional de defesa dos Direitos Humanos, que esta noite, em Lisboa, distingui o trabalho de Mamadou Ba.

Vencedor da região europeia do “Prémio Anual de Defesa dos Direitos Humanos em Risco”, o dirigente do SOS Racismo destacou, num vídeo divulgado pela Front Line Defenders, que “o anti-racismo é um acto de amor à humanidade”.

Já no Facebook, Mamadou Ba partilhou uma mensagem de agradecimento, que reproduzimos na íntegra:

“Os prémios não devem ser vistos como realizações individuais das pessoas premiadas, mas sim, como o reconhecimento do resultado de um compromisso colectivo para o bem comum pelo qual elas lutam. É por isso que este prémio é para todas as pessoas e todos os colectivos que, de uma maneira ou doutra, antes de mim e no meu tempo, se têm dedicado a combater o racismo na sociedade portuguesa.

Sem os meus companheiros e as minhas companheiras do SOS Racismo, os meus companheiros e as minhas companheiras do movimento negro, os meus companheiros e as minhas companheiros do movimento cigano, os aliados e as aliadas do movimento social português e da luta política, nada do que faço na luta contra o racismo, seria possível. O alento e a força que tenho para prosseguir com a luta, apesar de todas as contrariedades, só são possíveis porque tenho o respaldo de tanta gente que não abdicou de lutar pela dignidade humana. O racismo vai para além dos habituais momentos mediáticos em torno dos casos mais visíveis, é um sufoco quotidiano para milhares de pessoas na nossa sociedade. É na rua, no trabalho, nos transportes, nas instituições e nas relações interpessoais. As perseguições e os ataques de que tenho sido alvo são apenas uma pequena expressão dessa realidade estrutural. Obrigado a todes, seguimos lutando”.

Unidos e em amor.

Biografia de Mamadou Ba

Cidadão português nascido no Senegal, vive em Portugal há mais de 24 anos, dedicando -se desde então ao activismo anti-racista. É licenciado em Língua e Cultura Portuguesa pela Universidade Cheikh Anta Diop, em Dakar (1997) e titular de um Certificado em ‘Tradução’ pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1998). Membro fundador de várias organizações de defesa dos direitos humanos dos migrantes e das pessoas racializadas de âmbito nacional e europeu. Integrou conselhos científicos de vários c de investigação académica enquanto consultor. Participa como docente em muitas Escolas de verão do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, relacionadas com a temática do (anti)racismo.